DIA DA ARTILHARIA - 10 DE JUNHO - Significado, história, origem da data, artilharia moderna, patrono da artilharia, hino da artilharia

.
O que é a Artilharia

Composto bélico de canhões, peças e várias bocas-de-fogo para atirar projéteis a longas distâncias.

História da artilharia

Em suas forças de manobra, todos os exércitos têm a fonte primordial de poder de combate. São estas que vão à frente, conquistam terreno, dominam cidades, perseguem o inimigo. Nem a Infantaria nem a Cavalaria cumpririam suas missões sem o essencial apoio de fogo da Artilharia.

Lançador portátil - mísseis

Perspicazes, detalhistas, previdentes e meticulosos, os artilheiros raciocinam com ângulos, matemática, tiros precisos. Sabem que deles depende o apoio de fogo aos elementos de manobra; que seus tiros sobre instalações de comando, logística e reservas adversárias dão profundidade ao combate; que suas armas protegem nossas forças dos perigos que vêm dos céus e dos mares; e que sua responsabilidade na guerra é muito ampla, inquestionável, fundamental.

Integrando a Força Expedicionária Brasileira (FEB) na II Guerra Mundial, os artilheiros dispararam seu primeiro tiro, com um canhão de 105mm, às 14h22min de 15 de setembro de 1944, nas encostas do Monte Bastione. Foi seu batismo de fogo, missão primeira de muitas outras cumpridas em proveito da FEB na Itália.

Origem da data

O dia 10 de junho - dia da artilharia - foi instituido em homenagem ao "Patrono da Artilharia", Marechal Emílio Luiz Mallet, o "Barão do Itapevi", nascido em 10 de junho de 1801.

O Patrono da Artilharia

O Marechal Emílio Luiz Mallet - Barão do Itapevi foi consagrado, por Dec. 51424 de 13 mar 1962, patrono da Arma de Artilharia, em cujo seio se forjou e se firmou com o honroso título de Artilheiro Símbolo do Brasil.

Mallet nasceu em Dunquerque – França, em 10 junho 1801, e faleceu no Rio de Janeiro, em 2 janeiro 1866, depois de 68 anos de devotamento à construção de sua nova pátria, na paz e na guerra. Seus restos mortais repousam no mausoléu erguido em Santa Maria – RS, junto ao 3º Grupo de Artilharia de Campanha, o REGIMENTO MALLET.

Marechal Mallet - Patrono da Artilharia

Como tenente, no comando de duas peças de Artilharia, Mallet teve atuação marcante na batalha de Passo do Rosário, de 20 fevereiro 1827. Na guerra contra Oribe e Rosas (1851-52), como capitão, fez toda a campanha contra Oribe no comando do 1º Regimento, então tracionado por bois. Data, de então, a tradição da unidade chamar-se "Boi-de-botas", em razão dos bois que, de tanto atravessarem lodaçais, no inverno, davam a impressão de estarem calçando botas.

Mallet teve como ponto culminante e mais glorioso de sua carreira à frente do 1º Regimento de Artilharia a Cavalo, o atual Regimento Mallet, na batalha de Tuiuti, em 24 maio 1866. Ali, com seu regimento na vanguarda e em posição, atrás de um fosso escavado com auxílio inclusive do Batalhão de Engenheiros e manobrando com rara habilidade e competência sua "Artilharia-Revólver", cumpriu sua determinação assim expressa no calor da luta: "Por aqui eles não passam". Foi o primeiro a suportar e a repelir as massas inimigas que, a todo o custo, pretendiam romper a posição aliada. Isto lhe valeu promoção a coronel por bravura.

Mallet sublimou as Virtudes Militares de bravura, coragem, devotamento e abnegação, como oficial do Exército, em todas as guerras externas do Império do Brasil: Guerra da Cisplatina (1825-28); Guerra contra Oribe e Rosas (1851-52); Guerra contra Aguirre (1864); e Guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai (1865-70).

Artilharia moderna

Atualmente, a artilharia realiza quase sempre tiro indireto contra objetivos fora do alcance visual das guarnições das armas. Por isso mesmo, hoje em dia, os armamentos são apenas um dos elementos de um complexo sistema de artilharia, cujo conjunto é necessário para bater eficazmente aqueles objetivos. Os elementos e funções principais deste sistema são os seguintes:

=> Comunicações: ligação entre todos os elementos do sistema e entre este e o exterior;
=> Comando: autoridade para atribuir recursos;
=> Aquisição de objetivos: detecção, a identificação e a previsão da localização do objetivo;
=> Controle: autoridade para decidir quais os objetivos a bater e quais as unidades de tiro que o irão fazer;
=> Cálculo de tiro: cálculo dos elementos necessários à execução do tiro com precisão;
=> Unidades de tiro: armamentos de artilharia e respetivas guarnições;
=> Serviços de especialidades: produção dos dados auxiliares necessários ao cálculo de tiro;
=> Logística: abastecimento, sobretudo no que diz respeito a munições, e garantia do bom funcionamento dos equipamentos.

Artilharia - Radar antiaéreo

Estas funções podem estar dispostas de várias maneiras, em termos de organização e de localização espacial. Desde o desenvolvimento do tiro indireto moderno, as diferentes forças armadas têm-no feito de diversas modos. Nisso, a tecnologia é, frequentemente, o factor fundamental, mas também o são os aspetos sócio-militares, a relação entre a artilharia e as outras armas, os critérios pelos quais a eficiência e eficácia militares são julgados. O custo também é um factor importante, uma vez que a artilharia é dispendiosa graças à grande quantidade de munições que consome e ao elevado nível de especialidade do seu pessoal.

Hino da artilharia
Composição: Jorge Pinheiro

Eu sou a poderosa Artilharia
Que na luta se impõe pela metralha
A missão das outras armas auxilia
E prepara o campo de batalha
Com seus tiros de tempo e percussão
As fileiras inimigas levo a morte e a confusão. (BIS)
Se montada, sou par da Infantaria
Nos combates, nas marchas, na vitória !
A cavalo acompanho a Cavalaria
Nos contatos, nas cargas e na glória

Com rajadas de fogo surpreender
As vanguardas inimigas e depois retroceder. (BIS)
Quer de costa, antiaérea ou de campanha
Eu domino no mar, no ar, na terra
Quer no forte, no campo ou na montanha
Vibra mais no canhão, a voz da guerra
Da batalha sinistra a melodia
É mais alta na garganta da Pesada Artilharia. (BIS)
Se é mister um esforço derradeiro
E fazer do seu corpo uma trincheira
Abraçado ao canhão morre o artilheiro
Em defesa da pátria e da Bandeira.

O mais alto valor de uma nação
Vibra n'alma do soldado, ruge n'alma
do canhão. (BIS)
Hurra ! ... Hurra !... Hurra !...


.

Nenhum comentário :

Topo